A Igreja é a coluna (mestra) e sustentáculo (preservadora) da verdade – 1º Tim 3,15

~~~~~~~~

É importante falar de Deus, das coisas de Deus, sem tirar os pés do mundo, pois estamos nele, embora que não sejamos dele. O Viver em Deus, fala de Deus, dos fatos da Igreja, do meio cristão católico. O Viver em Deus não é fechado em si mesmo, portanto faz também a apresentação de obras de outros sites católicos, o que, aqui, mais se evidencia, no intuito da divulgação e conhecimento dos mesmos. UM BLOG A SERVIÇO DA IGREJA DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO. Sejam todos bem - vindos!

~~~~~~~~

Quando neste blog é falado, apresentado algo em defesa da Igreja, contra o protestantismo, é feito com um fundo de tristeza ao ver que existem "cristãos" que se levantam contra a única Igreja edificada pelo Senhor Jesus no mundo. Bom seria se isto não existisse, a grande divisão cristã. Mas os filhos da Igreja têm que defendê-la.

Saibam, irmãos(ãs), que o protestantismo, tendo que se sustentar, se manter, se justificar, terá que ser sempre contra a Igreja católica (do contrário não teria mais razão de sê-lo) ainda que seja pela farsa, forjar documentos, aumentar e destorcer fatos (os que são os mais difíceis para se comprovar o contrário pelos cientistas católicos, pois trata-se de algo real, mas modificado, alterado para proveito próprio.) E tentarão sempre atingir a Igreja na sua base: mentiras contra o primado de São Pedro, contra o Papa e sua autoridade, contra o Vaticano, contra a sua legitimidade, e outros tantos absurdos. São, graças a Deus, muitos sites católicos que derrubam (refutam) estas mentiras, provando o seu contrário, bastando portanto se fazer uma pesquisa séria, por exemplo, com o tema: cai a farsa protestante, refutando o protestantismo, etc. O Espírito Santo jamais abandona sua Igreja. Que saibamos, por este Espírito, amar aos protestantes que não participam destas ações malignas, e aos que se incumbem destas ações, os inimigos da Igreja, que saibamos, ainda que não consigamos amá-los o bastante, ao menos respeitá-los em sua situação crítica perante Jesus e desejar a eles a conversão e a Salvação de Nosso Senhor Jesus. "Se soubéssemos verdadeiramente o que é o inferno, não o desejaríamos ao pior inimigo".

~~~~~~~~

Notas Importantes

*O marcador “IDOLATRIA”, na seção TEMAS, abaixo, à esquerda, assim está exposto com a função de desmentir as acusações de idólatras aos católicos, outras vezes também denunciando que estes próprios acusadores cometem a idolatria ao dinheiro, entre outras.

*Os anúncios que aparecem neste blog podem porventura não serem compatíveis com a doutrina católica, por escaparem da filtragem do sistema. Aconselha-se a quem se incomodar com estes anúncios, atualizar a página do blog até que eles sejam modificados.

*Ao usar o telemóvel escolha a opção “visualizar versão para a web”, localizada abaixo da opção “página inicial” , para que sejam utilizados todos os recursos apresentados na página como vista no computador.

~~~~~~~~

Para uma melhor visualização, abra o zoom de sua tela em 90%, ou de acordo com o seu encaixe

Tradutor

sábado, 22 de julho de 2017

Sinais da depressão escondida

Tatyana Dzemileva - Shutterstock


Aleteia

Fique atento: alguém da sua família (ou você mesmo) pode estar ocultando a depressão - ou nem sequer sabe que tem a doença

Existem pessoas que vão levando a vida com “depressão mascarada” ou “escondida“: elas tentam ocultar a sua depressão diante dos outros ou nem sequer sabem (ou não querem admitir para si mesmas) que têm depressão.

Isto acontece porque ainda existem, entre as pessoas, entendimentos vagos ou equivocados sobre esta doença de sintomas complexos, que variam de indivíduo para indivíduo: nem sempre é fácil identificar a presença da depressão em familiares, amigos, colegas ou até em nós próprios. O desconhecimento e os preconceitos a respeito da depressão estão diminuindo, é verdade, mas, mesmo assim, continuam sendo bastante frequentes.

No entanto, até nos casos em que o sofrimento parece “invisível”, ele deixa “sinais” que podemos captar se estivermos atentos.

E estes são 7 sinais de que uma pessoa pode estar sofrendo de “depressão escondida”:


1. A pessoa deprimida pode nem parecer deprimida, mas está constantemente cansada


Muita gente pensa que as pessoas com depressão não querem sair do quarto, ficam desleixadas e andam sempre tristes. Mas a depressão não tem os mesmos sintomas em todas as pessoas. Muitos doentes conseguem demonstrar uma aparência de boa saúde mental, mas, por baixo desse verniz, estão exaustos. De fato, um efeito bastante comum da depressão é um permanente cansaço – e, se o doente não foi diagnosticado adequadamente, nem ele sabe que a causa desse cansaço é a depressão. Talvez ele pense que está apenas com acúmulo de trabalho, ou se culpe por uma suposta preguiça, ou ache que está com “fraqueza”. Um diagnóstico sério é fundamental para dar início à solução deste quadro depressivo.


2. A pessoa deprimida pode se irritar com facilidade


Ainda é comum a ideia de que uma pessoa com depressão seja quieta, amuada, apática. Por isso, muita gente não imagina que a pessoa deprimida pode ficar bastante irritadiça. Mas ela pode; aliás, isso ocorre com frequência, já que ela precisa continuar lidando com as responsabilidades do cotidiano apesar da falta de energias, o que é bastante esgotador. Como o mundo inteiro parece mais acelerado e impaciente hoje em dia, é comum que as pessoas não interpretem essa irritabilidade como sintoma da depressão. E é por isso mesmo que é necessário ficar atento: a irritabilidade pode ser, sim, um sintoma da doença.


3. A pessoa deprimida pode parecer indiferente ao afeto dos outros


O indivíduo com depressão nem sempre se sente triste: muitas vezes, ele simplesmente não sente nada. São relativamente comuns os relatos de pacientes que se sentem frios, indiferentes, “entorpecidos”, e, nesse quadro, eles não reagem a palavras e atos de carinho. Este é outro sinal que pede atenção.


4. A pessoa deprimida pode abandonar atividades que antes gostava de fazer


O desinteresse por atividades antes prazerosas é um indicativo frequente da depressão, já que a doença esgota as energias físicas e mentais, reduzindo drasticamente a capacidade de sentir satisfação. Se não houver explicação plausível para o desinteresse crescente da pessoa por atividades das quais ela gostava, este mesmo fato pode ser um importante sintoma da depressão.


5. A pessoa deprimida pode assumir hábitos alimentares prejudiciais


A alteração dos hábitos alimentares pode ser um efeito colateral do descuido com a própria vida ou até uma tentativa de lidar com a doença: pode ser que o excesso de comida seja uma forma de tentar sentir algum prazer, por exemplo, ou que a perda de apetite seja um indicativo de que até o ato de comer já se tornou insípido e pesado. É comum achar que os maus hábitos alimentares de alguém se devam a mera falta de disciplina, mas eles também podem ser sinais relevantes de depressão clínica.


6. A pessoa deprimida pode se sentir pressionada ou exigida além das suas forças


Uma pessoa com depressão não tem as mesmas disposições de quem está mental e fisicamente sadio. Exigir o que ela não é capaz de fazer só serve para piorar o seu quadro, porque tanto pode perturbá-la e frustrá-la quanto deixá-la envergonhada e magoada. Se é sempre importante ser paciente e compreensivo com todas as pessoas no dia-a-dia, é mais importante ainda ter a sensibilidade de manter a paciência e a compreensão com as pessoas que enfrentam o peso da depressão: elas realmente não conseguem fazer as coisas com a mesma disposição de quem não sofre a doença. Não é frescura! É doença e requer tratamento – e muita paciência.


7. A pessoa deprimida pode oscilar de humor aleatoriamente


A depressão pode ser cheia de altos e baixos, alternando “dias bons” e “dias ruins” sem muita lógica aparente. Geralmente, não se percebe uma motivação específica para as variações de humor: elas podem ser apenas uma forma de manifestação da depressão. É importante prestar especial atenção à falsa impressão de que a pessoa está curada quando passa por uma série de “dias bons”: na verdade, o quadro poderá mudar de repente, reforçando a necessidade de ajuda especializada.


O que fazer se eu me identifiquei com esses sintomas?


Se você identificou esses sintomas em si mesmo ou em alguém que você conhece e concluiu que pode estar com depressão, não se assuste: a depressão é bastante comum em nossa sociedade e é perfeitamente tratável. Não se automedique: é fundamental procurar orientação médica especializada e responsável para que o tratamento seja um sucesso. Experimente consultar um psicólogo para compreender melhor o que está acontecendo; se for necessário, ele encaminhará você a um psiquiatra, que é o médico especializado nos tratamentos com medicação apropriada para reequilibrar o funcionamento do seu sistema nervoso. Junto com o tratamento, alimente a sua mente e a sua alma com motivação e fé, consciente de que essa perda de energias pode ser superada. A sua determinação de vencer e fazer o tratamento com empenho, mesmo que não sinta vontade para nada, é essencial para derrotar a depressão!

Confira também:

10 nutrientes que podem estar lhe faltando – eles ajudam a combater a depressão!

Com informações de LifeHack

Título Original: 7 sinais de pessoas com “depressão escondida”


Site: Aleteia
Editado por Henrique Guilhon

domingo, 16 de julho de 2017

O que é a santidade e o seu caminho?



PHN

Padre Paulo Ricardo

Deus quer que você seja santo: Ou santos ou nada




Padre Paulo Ricardo
Foto: Wesley Almeida/cancaonova

Hoje, é dia de Nossa Senhora do Carmo e quero começar com a Virgem Maria porque essa pregação vai ser diferente do que eu tinha preparado porque ela nasceu de uma pregação hoje, pela manhã, com Pe Jonas Abib e eu gostaria de trazer pra você o tema desta pregação: Ou santos ou nada!

Deus inspirou Mons Jonas Abib a fazer uma comunidade que fosse um caminho de santidade e eu quero explicar pra você o que é este caminho.

A Canção Nova nasceu do Evangelii Nuntiandi, um documento do Papa Paulo VI: “será pois, pelo comportamento, que a Igreja há de evangelizar”, ou seja, no testemunho de santidade. No mundo atual é necessário evangelizar pelo Espírito Santo.

O que é a santidade?

Ser santo não é simplesmente o “PHN” (Por Hoje Não), este é somente o começo da história. As pessoas baratearam a santidade. Elas acreditam que é só parar de pecar. Se você parou de pecar, ainda está na estaca zero. Ser santo é amar! Se a Canção Nova vive a santidade, ela precisa amar.

As pessoas acham que só tem dois tipos de pessoa: o pecador e o santo. Mas entre esses dois, existe uma terceira: o “mundano”.

Você viveu o PHN, fez sua primeira conversão. Mas ainda não é a santidade. “Pode parar, pode parar de pecar”; “Pare de se maltratar”, isso é PHN. Pare de ficar doente, mas ainda não é a saúde.A pessoa que sai da UTI precisa de fisioterapia, depois passa a um tratamento mais rigoroso. Todos nós podemos querer a medalha da santidade. Mas PHN é: “saia da UTI”, venha para a saúde.

A Canção Nova é uma escola de santidade e se queremos entrar nela, precisamos entender o que é a Canção Nova e, depois, ser fiel ao que Deus inspirou a Canção Nova. Isso é importante para você que veio ao PHN e para você, membro da Canção Nova, porque você precisa ser fiel ao que você é.

Ainda não somos santos, ainda temos bastante “mundo” dentro de nós. Estamos dentro da Igreja, mas invejamos pela janela lá fora. “tudo o que eu gosto é ilegal, imoral ou chato”, essa é a mentalidade do “mundano”. Ela não está no pecado, mas está com inveja dos pecadores. Essa é a doença dos pecadores. Se peca, vai confessar; caiu, levanta. Vamos em frente! Mas, Deus não quer que você seja bonzinho, Deus quer que você seja santo. Esse é o método Canção Nova.

Um dia, chegou um jovem esbaforido e perguntou a Jesus: “o que eu tenho que fazer para entrar no Reino dos Céus?” E Jesus responde: “PHN”. Não cometer adultério, não matar, não roubar, não levantar falso testemunho. Aí o rapaz disse assim: “Ah, Jesus, eu já vivo o PHN que eu aprendi com o Dunga, lá na Canção Nova”. Aí Jesus diz: Que bom! Você aprendeu com o Dunga? Agora, aprenda com Mons. Jonas Abib. Deixa tudo! Radicalidade! É preciso evangelizar com a vida, com o caminho de santidade.

Você vem se confessar, chora, arrepende-se dos seus pecados, recebe absolvição. Perdoado, você se levanta, tem um ataque cardíaco e morre. Pergunto: “Você acha que esta pessoa está salva?” Sim, está. Pergunto: essa pessoa vai para o céu? Não. Vai para o purgatório, porque não é pecador, mas também não é um santo! Aquele jovem estava na graça, como amigo de Deus, portanto, salvo!

Você ainda não é santo porque seu coração é um coração dividido. Você ama a Deus, mas ama tanto outras coisas. Você é generoso, mas dói abrir a mão. Você é fiel à sua esposa, namorada, mas passa cada tentação na cabeça. Você deixou o mundo, mas dentro do seu coração você olha pela janela invejando o mundo. Isso quer dizer que seu coração é um campo de batalha.

O que é um santo? É aquele que ama a Deus com todo o seu coração, com todo o seu entendimento, com toda a sua alma.

Amar a Deus sobre todas as coisas. De um lado, ter todas as coisas, de outro lado, Deus. E preferir a Deus! O martírio não é para quem quer, é para quem Deus escolhe.

Qual o caminho da santidade?

Mons. Jonas Abib colocou na regra de vida da Comunidade Canção Nova as “5 pedrinhas”:

1) confissão: a confissão coloca você dentro daquilo que os santos chamam de primeira morada. A pessoa ainda não está no caminho da santidade, mas já está salva. Vai para o purgatório, até se purificar, porque no Céu só entra quem ama a Deus de toda a sua alma, de todo o seu coração e de todo o seu entendimento. Se você não está em estado de graça, se não se confessa há mais de um ano, se você falta à missa aos domingos, se você andou usando métodos anticoncepcionais, se você é casado e usa camisinha, você não está seguindo os mandamentos. Com a sua namorada você vai ser casto, este é o caminho, porque sexo tem a ver com família. Se você não quer ser pai, se você não quer ser mãe, seja casto. Se você bebe para se embriagar, usou drogas, se você desejou o mal para os outros, quis matar as pessoas – e isso não é somente ter raiva – você está em pecado grave. Você precisa se confessar! Porque você precisa voltar à amizade com Deus.

2) e 3) Eucaristia e Palavra: você precisa comungar todos os dias em estado de graça. Quem está na segunda morada, é porque já tem uma vida de oração pessoal e comunhão diária. Se você não tem oração pessoal, você não passa para a segunda morada, você não vai ser santo porque você não vai ter força para isso. Não basta comungar, porque tem muita gente que comunga todos os dias, mas nunca será santo. É preciso ter fé! Você não pode comungar sem ter fé. Você precisa crer que é Ele! Se você quer ser santo, a segunda pedrinha que vai te colocar na segunda morada é a Eucaristia. São apenas 15 minutos, você precisa estender isso com a oração pessoal. O padre Jonas colocou na nossa mão a “Bíblia no meu dia a dia”. Existem outros livros de meditação que nos colocam no encontro com o Cristo Ressuscitado. Se você vai crescendo de fé em fé, você, então, está na segunda morada. A santidade, de verdade, é para quem está na quarta morada.

4) Jejum: você precisa se sacrificar. E, além disso, você tem um apostolado. É isso que os membros da Canção Nova são chamados a viver, salvar almas. E, sendo uma companhia de pesca, você vive para os outros. Todo santo precisa ser mãe e pai espiritual, assim, você vai matando o egoísta que há dentro de você, e sem ter tempo para si mesmo, deixando-se devorar pelos irmãos, deixando-se devorar, pelas almas, você chega num ponto que você não consegue mais se purificar. Aí entra Deus! É como uma roupa que já foi lavada muitas vezes, mas ainda precisa ser lavada na água sanitária. Aí sim, você começa a amar de um jeito que você não achava que era capaz de amar.

5) Rosário: A boa notícia é que neste caminho difícil e árduo, existe um elevador, uma escada rolante: É Maria, a “quinta pedrinha”.

Este caminho que Deus inspirou ao padre Jonas há 40 anos não foi inventado por ele. É o caminho da Igreja. Essa foi a resposta para a crise que a Igreja vivia nos anos 70. Milhares e milhares de sacerdotes deixaram seu ministério, as igrejas estavam se esvaziando. O papa Paulo VI chegou a desabafar na praça de São Pedro dizendo que “a fumaça de Satanás havia entrado na Igreja”, aí, então, é que ele escreve a “Evangelii Nuntiandi”. Foram os santos que resgataram a Igreja. Não há outro caminho para sair da crise profunda desta “fumaça” que entra na igreja se não abraçarmos a santidade. Por isso, não basta ser “bonzinho”. O único caminho é: ou santo ou santo! Mons. Jonas, quando fundou a Canção Nova, quis fazer uma Comunidade não somente de padres, mas de famílias, padres, jovens para mostrar que em todos os estados de vida, é possível ser santo.

Se a Canção Nova for fiel ao seu chamado, Deus irá usá-la para a salvação das pessoas do Brasil e do mundo. Se a Canção Nova não for fiel ao seu chamado, Deus irá fazer surgir a salvação de outro lugar! Podemos ser instrumentos de Deus para a salvação. É uma maravilha: não precisamos lutar somente para não pecar, mas podemos amar e dar a vida como os grandes santos deram a vida.

Você vai dizer: “eu não tenho força”. É verdade! Mas existe o caminho e eu estou sistematizando o que Deus inspirou a Mons. Jonas Abib, ao papa Paulo VI, a Santa Tereza D’Ávila. 

Você é como um “marido safado”: parou de trair a Deus, mas não quer amar, você só quer parar de trair, você só quer parar de cometer adultério, mas Deus chama você a parar de se rastejar como a serpente, Deus chama você à altura do Amor. Vamos parar com a mediocridade! Seu coração está ardendo porque você sabe: Jesus pegou você. Agora, Ele quer tudo, quer fazer você feliz, e para isso, precisamos entregar tudo! Ou santos ou nada! Esta é a nossa vocação! Igreja, acorda para a tua vocação verdadeira.

Leia mais: 




Transcrição e adaptação: Maria de Fátima Pinheiro


Padre Paulo Ricardo
Sacerdote da Arquidiocese de Cuiabá – MT

Título Original: Ou santos ou nada


Site: Eventos Canção Nova
Editado por Henrique Guilhon

sábado, 15 de julho de 2017

O que é venerar e adorar? O que é verdadeiramente a idolatria?

"Você adora isto!" " Vocês adoram aquilo!" Sem perceberem, estes acusadores alimentam uma das mais absurdas idiotices dos últimos tempos: a acusação de idolatria aos católicos. Os acusadores em questão, muito populares ultimamente, apresentam passagens bíblicas isoladas e fora do seu contesto. Alguns, mais "ousados" ainda dizem: "deixa-me mostrar na sua Bíblia". Este simples gesto abre um leque de estudos sobre a Bíblia, no que diz respeito a autoridade da Igreja sobre ela ( 1 Tim. 3,15 ) que não entra em questão agora. Os acusadores de idolatria, ao praticarem tal acusação, muitas das vezes mal sabem do significado da formação da palavra IDOLATRIA, que é ÍDOLO + LATRIA, ou seja, a atitude de direcionarmos o sentimento de LATRIA, que quer dizer um sentimento ao Supremo, único, de criatura para Criador, que só é devido unica e exclusivamente a Deus. E aí vem a grande idiotice praticada por milhares de adeptos protestantes, parece-me mais fortemente nas últimas décadas: Ora, sendo que latria é um sentimento, quem pode saber o que sente por algo ou alguém é unicamente a própria pessoa. Jamais eu posso chegar para alguém e dizer para ele ou ela, que gosta daquilo ou não, que adora aquilo ou não, se eu não estou naquela pessoa para saber. E mesmo, alguns gestos praticados não prova o que aquela pessoa sente ou não. Assim, uma pessoa que está comendo algum alimento numa casa, por exemplo, pode está comendo sem gostar ou para não fazer desfeita. Uma pessoa que aceita um aperto de mão pode fazê-lo por mera formalidade ou sentimento de obrigação sem está dentro do seu coração a vontade de ter apertado a mão. Assim, o simples gesto de ajoelhar-se diante de uma imagem não pode provar que aquela pessoa tem aquela imagem como um deus ou que ela a adora. Se ela ajoelha diante de tal imagem ela está ajoelhando para o que aquela imagem representa ( exceto quando se trata da Eucaristia e o Santíssimo Sacramento onde a presença de Jesus é real, não havendo representação e a adoração à Santa Cruz -quem quiser se aprofundar nestes assuntos, pesquise neste blog ou em outros sites de formação católica ), algo sagrado, que está na presença de Deus, portanto, de Deus e quando se presta culto às coisas de Deus, por serem sagradas, presta-se culto ao próprio Deus, evidentemente, na sua ordem de valores. Uma mãe que cuida das roupas de seu filho, vai cuidá-las com todo carinho e dedicação, por não serem roupas qualquer, mas do seu filho. Isto não provará que ela ama tais roupas mais do que ao seu filho. Portanto acusar alguém de idolatria é dizer que este alguém tem um sentimento de adoração por algo, sem está dentro deste alguém para ter certeza do que sente por este algo. Tenho várias imagens em minha casa e não adoro nenhuma, porque sei que elas não são Deus e o que eu sinto por elas é o respeito pelo que representam e não o que eu sinto pelo meu Criador. Porem o acusador protestante quer que eu imagine que o que eu sinto por tal imagem ou a Maria, é o mesmo que eu sinto por Deus. E o pior ainda é quem aceita achar que realmente adora tal imagem. Tal pessoa não deve ter certeza do que sente, no mínimo! Lastimável! 
Henrique Guilhon

Web

Dicionário da Fé

Mentira nº 532: Católicos adoram Maria, pois adorar e venerar é a mesma coisa. 

Nossa Resposta: 

Não.


Veneração é qualquer homenagem. Adoração é específica: inclui oferecimento de sacrifício, que é feito só a Deus. À Virgem Maria e aos santos prestamos o culto de veneração. 

O dicionário diz:

Venerar = render culto a (Michaelis); tributar grande respeito a (Aurélio).
Adorar = Render culto a divindade (Aurélio); Render culto a uma divindade (Michaelis).

É claro que todas as palavras têm um segundo e um terceiro sentidos... Mas é este o que foi aplicado pelo Sagrado Magistério da Igreja para os cultos cristãos.

Infelizmente nossos irmãozinhos protestantes, enganados pelo "divisor" (diabo = o que divide) não sabem fazer esta distinção, pois o Culto principal de qualquer religião, mesmo as pagãs, é OFERECER SACRIFÍCIO. E eles não sabem o que é isso. São, portanto, meras seitas, nem religião são.

A Igreja, mãe e mestra, nos instrui claramente, fazendo distinção dos diversos tipos de culto que prestamos: 

Assim temos:

- Dulia: Culto aos santos(veneração);
- Hiperdulia: Culto especial à Virgem Maria(veneração especial).
- LATRIA: Culto de ADORAÇÃO (Exclusivo a DEUS).

Título Original: Mentira nº 532: Católicos adoram Maria, pois adorar e venerar é a mesma coisa. 


Foto: Web

Site: Dicionário da Fé
Editado por Henrique Guilhon

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Nascer de novo é uma transformação pelo Espírito Santo



PHN



Padre Adriano Zandoná
Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com


Padre Adriano Zandoná

Nascer de novo é o caminho de salvação proposto por Jesus

Nicodemos foi incomodado e instigado por Deus a procurar Jesus, atiçando-lhe a curiosidade a respeito do ministério de Nosso Senhor Jesus Cristo. Nicodemos, no entanto, foi encontrar-se com Jesus à noite. Por quê? Sempre que fazemos algo de que temos vergonha, fazemos isso longe da vista dos outros.

Jesus, no entanto, podia ver Nicodemos; depois de entrar na casa dele, revelou ao homem como deveria ser o caminho para a salvação: nascer de novo. Mas como se nasce de novo? É uma transformação pelo Espírito Santo, a Terceira Pessoa da Trindade.

A transformação que Jesus propõe não é superespiritual, é uma transformação que muda o caráter do ser para que ele possa ser exemplo no meio de outros seres humanos; logo, Jesus não quer que nossa espiritualidade sacrifique nossa humanidade.

Jesus quer que nos façamos novos, deixando que o Espírito molde nosso caráter por meio da nossa consciência. Nosso Salvador se fez carne para mostrar que não é a carne que nos faz pecar, mas a nossa natureza pecadora, que precisa ser trabalhada por Ele.

Para que venhamos a pecar não é necessário esforço, somos como carros numa ladeira que leva para o inferno, é nossa natureza. Fazer o certo, por outro lado, é subir ladeira acima, e isso exige de nós esforço. Não dá para seguir na contramão do pecado se você tem vergonha de assumir seu relacionamento com Cristo!

Deus age em nosso favor quando estamos dispostos a fazer o necessário por nós mesmos. O ser humano é mal acostumado a fazer escolhas, a não querer as consequências, mas Deus não tira dele seu livre arbítrio.

Se você, até hoje, escolheu viver um relacionamento em segredo com Jesus, se você está na igreja, mas sua vida continua descendo ladeira abaixo, use do seu direito de escolha, nasça você também de novo. Dê liberdade ao Espírito Santo e você caminhará para viver verdadeiramente o PHN, um caminho de busca da santidade.


"É preciso viver a radicalidade sem deixar a humanidade." Padre Adriano Zandoná




Transcrito e adaptado por Jonatas Passos

Leia também:




Padre Adriano Zandoná
Sacerdote da Comunidade Canção Nova

Título Original: Nascer de novo


Site: Eventos Canção Nova
Editado por Henrique Guilhon